Você está aqui

O impacto da presença digital no lucro dos bancos

A valorização de empresas como Apple, Google e Facebook chamam a atenção para o fato de a tecnologia influenciar cada vez mais o cenário corporativo. Alguns mercados foram totalmente transformados e outros estão em plena mudança, como, por exemplo, a discussão recente sobre a concorrência de táxis regulamentados e motoristas que prestam serviço por meio do Uber. Essa dinâmica traz uma questão: como a presença digital das empresas afeta o lucro de seus negócios?

O MIT Digital Center, em conjunto com a consultoria Capgemini, detectou que as empresas mais maduras digitalmente conseguem obter lucros, em média 26%, superiores aos dos seus  competidores mais desconectados. As empresas que possuem essa maturidade conseguem um melhor alinhamento entre sua estratégia de negócio e a tecnologia da informação, pois não basta apenas investir em tecnologia, é necessário investir nos projetos certos, aqueles que são relevantes para a empresa conseguir vantagem competitiva, ou seja, para que seus produtos e serviços sejam percebidos como sendo melhores do que os de seus concorrentes.

Para lançar luz nessa questão, e produzir dados sobre o cenário nacional, o ESPM Media Lab elaborou uma pesquisa com os 12 maiores bancos do País, procurando descobrir como a presença digital dessas empresas afeta seus resultados, como lucro, ativos e depósitos. A presença digital foi avaliada por meio de seus diferentes tipos de mídia: a mídia paga, que são investimentos em anúncios; a mídia própria, audiência de sites, aplicativos e seguidores de páginas em sites de redes sociais controlados pelos bancos; a mídia conquistada, os comentários em redes sociais; e a lembrança de marca registrada nas pesquisas feitas em mecanismos de busca.

Os pesquisadores do ESPM Media Lab identificaram por meio de análises estatísticas uma forte correlação entre a presença digital e o lucro dos bancos, ou seja, o uso eficiente das mídias digitais impacta de maneira relevante o resultado dos bancos. Baseado nas correlações e no desempenho dos bancos nas mídias digitais, os pesquisadores elaboraram um ranking comparando o Índice de Presença Digital (IPD) de cada banco (Figura 1).

Figura 1: Índice de Presença Digital (IPD).
A pesquisa também detalha as variáveis que formam o índice, permitindo visualizar a performance dos bancos em cada tipo de mídia digital (Figura 2).

Figura 2: Variáveis do Índice de Presença Digital (IPD).
Esse estudo gerou um artigo (disponível em: http://goo.gl/J8RuDi) escrito pelos pesquisadores Cláudio Oliveira, Veranise Dubeux e Vinícius Pereira, o qual foi apresentado no International Conference on e-Business (ICE-B), principal congresso desse tema, que reúne pesquisadores de todo o mundo. Essa foi a primeira de uma série de pesquisas que o ESPM Media Lab pretende lançar ainda nesse ano, também serão analisadas as indústrias automotiva, têxtil e de telecomunicações.  As pesquisas serão apresentadas no 2º Fórum Digital ESPM Media Lab, a ser realizado em Novembro.

Prof. Cláudio Oliveira
Doutor, mestre e graduado em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP. Pesquisador associado ao ESPM Media Lab. Contato: coliveira@espm.br