Você está aqui

Pesquisa busca mapear as motivações dos estudantes internacionais que investem em um período de estudos no Brasil

Em 2013, Claudia Cristiane dos Santos Silva concluiu o mestrado na ESPM e a pesquisa que resultou na dissertação desenvolvida teve como objetivo compreender o processo de internacionalização da educação superior, em sua dimensão mais visível: a mobilidade acadêmica de estudantes internacionais. Buscou entender a motivação e o significado da mobilidade acadêmica para estudantes de graduação que se deslocam dos respectivos países de origem para uma temporada de estudo não inferior a um semestre acadêmico em instituições de educação superior brasileiras. Para tanto, selecionou duas faculdades localizadas na cidade de São Paulo – as quais oferecem cursos de graduação na área de administração e educação executiva – e uma universidade localizada em Belo Horizonte, considerada uma das maiores instituições particulares do País.

As três instituições são reconhecidas internacionalmente por sua reputação e estão em avançado processo de internacionalização. Assim, de forma sistematizada, reuniu dados e informações que auxiliaram a identificar o perfil dos estudantes internacionais que escolheram as instituições mencionadas para realizar programas de intercâmbio, tais como: nacionalidade, idade, gênero, área de conhecimento e nível de formação, proficiência em língua estrangeira e capital de mobilidade. Participaram dessa pesquisa 71 estudantes acolhidos entre as três IES.  Constatou-se que eles têm em média 22 anos, possuem considerável capital linguístico e de mobilidade, contam com o aporte financeiro dos pais, com recursos próprios e, em alguns casos, com bolsa de estudo.

As motivações da escolha pelo Brasil para realizar intercâmbio contemplavam o interesse em conhecer o país, aprender português, ter um diferencial no currículo e investir em uma carreira internacional. No âmbito das motivações pela escolha da cidade, emerge apenas a importância econômica de São Paulo. Nenhuma motivação foi apontada para a escolha da cidade de BH. Os estudantes que optaram por instituições localizadas na capital paulista foram motivados pela preexistência de acordos interinstitucionais, possibilidade de validar os créditos na instituição de origem e ter certificações internacionais.

Na instituição de Belo Horizonte, a possibilidade de validar os créditos e ter certificações internacionais, também motivou os intercambistas. Quanto aos significados houve convergências no que se refere a: aprender a ser mais independentes, ser capazes de cuidar da própria vida, melhorar a capacidade de adaptação às mudanças, aprender outros idiomas, expandir os horizontes culturais, melhorar a capacidade de comunicação e ampliar as possibilidades de colocação profissional. Entre as divergências, na instituição da capital mineira os estudantes expressam interesse por outras áreas de estudos. As expectativas em relação ao programa de mobilidade perecem ter sido atendidas na medida em que – se entre as motivações para viverem a experiência da mobilidade Brasil estava investir em uma carreira internacional – quando resgatam o significado dessa experiência, referem-se também a ampliação das possibilidades de colocação profissional.

A contribuição desse estudo está em apontar uma trilha para o debate no sentido de compreender a mobilidade acadêmica na área da internacionalização da educação superior brasileira. Há uma série de variáveis presentes na mobilidade de estudantes internacionais. No entanto, dado o caráter inédito dessa investigação, na esfera do stricto sensu, este pode ser o início de uma discussão tendo o Brasil e as universidades brasileiras como foco.

Manolita Correia Lima 
Doutora em Educação pela USP. Mestra em Sociologia dos Espaços Construídos - Université de Paris VII - Université Denis Diderot. Professora e pesquisadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Gestão Internacional (PMDGI) e coordenadora do Núcleo de Práticas Pedagógicas. Contato: mclima@espm.br

Claudia Cristiane dos Santos Silva 
Mestra em Gestão Internacional pelo PMGDI - ESPM. Pesquisadora no NPP - ESPM. Contato: claudia@espm.br