Você está aqui

ESPM Rio realizou uma pesquisa de satisfação com atletas e turistas estrangeiros após a Rio 2016

Em parceria com a TV Bandeirantes, ESPM Rio averiguou a hospitalidade e a qualidade da cidade durante os jogos olímpicos. Além de celebrar o sucesso da edição dos jogos deste ano, a pesquisa mostrou que muitos estrangeiros gostaram da estadia na cidade sem apontar falhas ou outros problemas estruturais. Veja mais na Band: http://bit.ly/2bnSlqP

A pesquisa de opinião realizada pela equipe do Núcleo de Pesquisa da Escola Superior de Propaganda e Marketing do Rio de Janeiro (ESPM), teve como objetivo principal retratar a opinião do visitante estrangeiro que atuou ou participou dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Esta pesquisa foi a primeira pesquisa divulgada com os participantes e turistas logo após a finalização dos jogos. Neste caso, ao invés de expectativas e opiniões parciais, obtivemos o relato da experiência dos entrevistados, que foram abordados nas dependências do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, nos dias 21 e 22 de agosto de 2016, antes do embarque de retorno.

Objetivo

O objetivo principal da pesquisa era avaliar a experiência do participante dos Jogos Olímpicos Rio 2016 a partir da avaliação da estrutura e serviços disponibilizados.

Na pesquisa também foram levantadas questões sobre o perfil dos respondentes, imagem da cidade do Rio de Janeiro e avaliação global dos Jogos Rio 2016.

Metodologia

A pesquisa, de abordagem quantitativa, entrevistou nas áreas comuns do aeroporto 467 indivíduos de origem estrangeira, que foram classificados em dois segmentos, a saber Família Olímpica e Turista.

A Família Olímpica era composta por respondentes que informaram que o seu envolvimento com os Jogos Olímpicos era “atleta ou integrante de delegação” aí envolvidos todos os componentes das delegações participantes, ou “trabalhei nos jogos”. Neste último caso estavam envolvidos os árbitros, membros de imprensa, e equipe de apoio.

O segmento Turista era composto por todos aqueles turistas, de procedência internacional, que informaram ter participado dos Jogos como expectador.

 Este “recorte” metodológico, com dois públicos, nos permite fazer uma inferência mais robusta pois os dois segmentos tiveram acesso diferenciado a questões relacionadas a infraestrutura disponibilizada e serviços, tais como: deslocamentos, estrutura das arenas, relação com o público local e hospedagem. Soma se a isso, o fato desses dois públicos ter interagido de forma diferenciada com a cidade.

 

Perfil do Respondente

Em primeiro lugar apresentaremos um perfil descritivo dos entrevistados com as características levantadas durante a pesquisa.  Como era esperado a média de idade dos respondentes era baixa, com 57,1% dos entrevistados afirmando ter até 40 anos. Grande parte deste resultado é influenciado pelo perfil dos atletas. O gráfico 1 apresenta a distribuição da idade por faixa.

Gráfico 1 – Distribuição das faixas de idade

Já em relação ao gênero, 69,2% dos respondentes eram do sexo masculino enquanto 30,8% eram do sexo feminino. Esta distribuição desproporcional entre homens e mulheres está em linha com a participação das mulheres nos Jogos somado ao perfil do turista internacional regular, que ainda é predominantemente masculino.

Já em relação ao nível de instrução informado, temos uma predominância dos respondentes com nível superior, completo ou incompleto, totalizando 59,2% da amostra. Destaca-se ainda que 25,8% da amostra afirmou ter cursado uma pós-graduação.  O gráfico 2 apresenta o detalhamento das respostas a esta pergunta.

Gráfico 2 – Nível de instrução dos entrevistados

A tabela 1 apresenta o país informado pelos respondentes. A distribuição dos países observada em nossa pesquisa apresenta um padrão semelhante ao perfil do turista internacional, bem como guarda uma relação com o tamanho das delegações presentes.

O destaque foram os Estados Unidos (12,6%), seguidos de perto pelos Argentinos (11,1%). Como perfil geral, temos a presença de cinco países da América do Sul nos Top 10 de nossa pesquisa.

Tabela 1 – País de origem dos entrevistados

PAIS

Frequência

 

PAIS

Frequência

Estados Unidos

12,6%

 

África do Sul

0,6%

Argentina

11,1%

 

Porto Rico

0,6%

Alemanha

7,7%

 

Suíça

0,4%

Reino Unido

6,2%

 

Dinamarca

0,4%

México

5,4%

 

Irlanda

0,4%

Uruguai

4,5%

 

Rússia

0,4%

Colômbia

4,5%

 

Sri Lanca

0,4%

Chile

3,9%

 

Bahamas

0,4%

Portugal

3,6%

 

Camarões

0,4%

Peru

3,2%

 

Venezuela

0,4%

Holanda

3,0%

 

Hong Kong

0,2%

França

3,0%

 

Indonésia

0,2%

Espanha

2,6%

 

Turquia

0,2%

Canadá

2,6%

 

Eslovénia

0,2%

Japão

1,9%

 

Irã

0,2%

Austrália

1,7%

 

Grécia

0,2%

Paraguai

1,7%

 

Timor Leste

0,2%

Angola

1,5%

 

Cabo Verde

0,2%

Equador

1,5%

 

Arábia Saudita

0,2%

Finlândia

1,5%

 

Chipre

0,2%

Nova Zelândia

1,5%

 

Nigéria

0,2%

Malásia

0,9%

 

China

0,2%

Cuba

0,9%

 

Nepal

0,2%

Bélgica

0,9%

 

Panamá

0,2%

Suécia

0,9%

 

Coréia do Sul

0,2%

Bolívia

0,6%

 

Belize

0,2%

Honduras

0,6%

 

Filipinas

0,2%

Estônia

0,6%

 

Monserrate

0,2%

Itália

0,6%

 

Luxemburgo

0,2%

África do Sul

0,6%

 

Total Geral

100%

Viagem e Imagem do Rio de Janeiro

A realização dos Jogos Olímpicos na cidade do Rio de Janeiro permitiu uma maior visibilidade da cidade para o mundo a partir da exibição e divulgação para o mundo. Para ilustrar a importância dos jogos 65% da Família Olímpica e 62% dos turistas afirmaram que esta era a sua primeira viagem ao Rio de Janeiro.

Em média os membros da Família Olímpica permaneceram 19 dias no Rio de Janeiro. Já os turistas, permaneceram 9 dias, em média.

Quando analisamos o tempo de estadia média dos que ficaram hospedados em hotel (Família Olímpica e Turistas) obtemos uma média de 11,7 dias. Os dados obtidos estão em linha com as informações divulgadas pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (ABIH-RJ), que informou ter registrado uma estadia média de 12 a 14 dias em seus estabelecimentos associados [1].

Podemos afirmar, a partir dos números obtidos, que a imagem da cidade do Rio de Janeiro sai fortalecida. Temos que 96% dos respondentes afirmaram que “poderia recomendar o Rio de Janeiro a um amigo ou familiar”. Isto por si, só reflete que a experiência desta visitante estrangeiro foi positiva. 90% Do total ainda afirmou que pretende voltar ao Rio de Janeiro em uma oportunidade futura. Este número apresentou uma dispersão maior em relação aos dois perfis, com 82% da Família Olímpica informando que pretende retornar enquanto o número de turistas alcançou 93%.

Estes dois números são robustos quando se analisados a luz da diversidade dos perfis presentes ao Rio neste período. Tivemos turistas de emissores tradicionais, tais como Estados Unidos, os países da América do Sul e da Europa Ocidental, como turistas de países muito distantes física e culturalmente do Brasil. Malaios, Indonésios e Turcos são alguns dos exemplos desta distância.

Um outro ponto a se destacado é o número de respondentes que afirmaram que poderiam vir a fazer negócios no Brasil futuramente (57%). Este número pode ser lido como um indicador de confiança não só no Rio de Janeiro, mas no Brasil. Importante ler esse número contra uma massiva campanha negativa e caricata do Brasil nos meses que antecederam os Jogos Olímpicos. 

Para ilustrar este ponto mencionamos uma reportagem do USATODAY de 28 de julho de 2016. Ou seja, o jornal americano de maior tiragem trouxe uma reportagem, a uma semana da abertura dos Jogos Olímpicos no Rio, apresentando as quatro grandes ameaças que pairavam. Eram elas, Segurança, Trânsito e Transporte, Qualidade da água da Baia da Guanabara, e o vírus Zika {2]. Por fim, restou somente o registro alarmista de uma realidade imaginária, baseada em estereótipos e talvez em algum interesse, não declarado, de desqualificar a realização dos jogos no Brasil.

Merece também destaque que a despeito do grande alarme de alguns veículos americanos, este país enviou não somente a maior delegação como também foi o principal emissor de turistas ao Brasil neste período. A seguir apresentamos dois destaques do USNEWS e do USATODAY.

Figura 1 -  USATODAY de 22/06/2016 [3]

Figura 2 – USNEWS 17/06/2016 [4]